.

domingo, 4 de dezembro de 2016

abobrinha

.
Fomos pioneiros na afirmação da cidade como espaço de festejos

João Ataíde, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz
.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Fidel

Este ano vai aziago. E parece que nunca mais acaba.
Agora morreu Fidel Castro. No dia 25 de Novembro, Sexta-Feira. 
Nesse mesmo dia funesto porém também morreu alguém que me foi muito mais próximo do que o comandante, depois de uma longa e devastadora agonia. O funeral foi no Domingo.
De maneira que não tive sequer ânimo para fazer aqui uma referência a Fidel.
Mas ela aqui vai.
.
Faço-o com uma caricatura e uma frase que o meu amigo Daniel Abrunheiro colocou na sua página do Face-Book: “Todo o gajo que durante mais de meio-século é capaz de manter um pau cheio de pregos no cu dUSAmericanos - é meu gajo.VIVA FIDEL!”.
.
A verdade é que, para além disso, muito para além disso, Fidel foi capaz de lograr instituir a partir do nada – apesar de um embargo implacável por parte da maior potência militar e económica de todos os tempos – um serviço de saúde exigente e competente e universal e um sistema de ensino também universal e exemplar.
Fidel ainda foi capaz de dizer na ONU, perante todos os estados do mundo, sem absolutamente nenhum medo de ser desmentido pelos factos: “Hoje, milhões de crianças vão dormir na rua. Nenhuma delas é cubana”.
Foi ou não foi um gajo do caralho?
.
Apesar disso, Fidel é muito criticado tanto pela direita mais hard como pla esquerda soft. Um tirano, dizem eles. É assim a vida; há quem pense que é possível que um jardineiro possa produzir belas e cheirosas rosas ou morangos sem sujar as mãos com estrume. Mas não é.
Fidel sobreviveu a seiscentos e tal atentados dUSAmericanos e morreu, como outro célebre cavaleiro andante, tranquilamente, na cama. Todavia, ao contrário deste, não consta que se tenha arrependido de nada. É preciso cojones, pendejos.
.


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Raul Brandão

.
Estamos enterrados em convenções até ao pescoço: 
usamos as mesmas palavras, fazemos os mesmos gestos. 
A poeira entranhada sufoca-nos. Pega-se. Adere. 
Há dias em que não distingo estes seres da minha própria alma; há dias em que através das máscaras vejo outras fisionomias, e, sob a impassibilidade, dor; 
há dias em que o céu e o inferno esperam e desesperam. 
Pressinto uma vida oculta, a questão é fazê-la vir à supuração.

in Húmus
.

domingo, 13 de novembro de 2016

Manuel Maria Barbosa Hedois du Bocage

É pau, e rei dos paus, não marmelleiro.
Bem que duas gamboas lhe lobrigo;
Dá leite, sem ser árvore de figo,
Da glande o fructo tem, sem ser sobreiro:

Verga, e não quebra, como o zambujeiro;
Occo, qual sabugueiro tem o umbigo:
Brando ás vezes, qual vime, está comsigo;
Outras vezes mais rijo que um pinheiro:

Á roda da raiz produz carqueja:
Todo o resto do tronco é calvo e nú;
Nem cedro, nem pau-sancto mais negreja!

Para carvalho ser falta-lhe um u;
Adivinhem agora que pau seja,
E quem adivinhar metta-o no cu.

Soneto XIII, ou do pau decifrado
.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

António Domingues

.
A última grande contratação do sector público para o campeonato nacional da alta finança é um pontadelança. Ou um mister, não sei bem.
António Domingues é o xepéxialuóne dos gestores de ponta. Vai gerir a Caixa Geral de Depósitos e vai ganhar quase tanto como Fernando Mendes (o actor que apresenta o Preço Certo na televisão pública) ou José Rodrigues dos Santos (o outro cómico que apresenta, logo a seguir, o noticiário das oito, também na televisão pública).
.
Domingues está para o banco público mais ou menos como o Casillas para o FêQuêPê – também estava a preparar-se para, posto em sossêgo, degustar o doce fruito de uma merecida e esforçada reforma quando o foram desinquietar com o aliciante e irrecusável repto de fazer qualquer coisa grande outra vez.
.
Mas como não há vedeta sem caprichos também não há grande campeonato sem polémica - o que, diga-se, apimenta a competição - Domingues recusa-se, porque-sim, a apresentar a declaração de rendimentos, como dizque manda-a-lei, ou os regulamentos ou lá o que é.
.

Em todo o caso espero que acabe tudo em bem - quero dizer, que o sector público seja enfim bocejado pla sorte. Mas para já, fiz-lhe o retrato, para o meu álbum de “rostos da classe dirigente”. 
.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Posada

la muerte es democrática, 
ya que a fin de cuentas, 
güera, morena, rica o pobre, 
toda la gente acaba siendo calavera
José Guadalupe Posada
.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O outono, no meu jardim

.
Os jardins também se desenham. 
Embora não seja nenhum Le Nôtre (não sou obcecado pela simetria e pela grandiloquência) também sei usar um cordel e escolher as espécies; mas gosto mais de observar, aproveitando os acasos.

O esplendor do meu jardim (se assim lhe posso chamar) é no Outono. 
É quando o desenho mais acentua os contrastes cambiantes e as cores explodem entre as sombras. É uma alegria breve, bem sei. Trata-se de uma beleza funesta, perecível. Sobressaltos de prazer em pequenas sensações (mais aqui). Puro deleite para contemplativos dados à reflexão. 
.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Gonzalo Torrente Ballester

Um homem com um garfo numa terra de sopas, bebe e come com as mãos, porque o garfo não lhe serve para nada, nem nunca lhe irá servir, e essas mãos são tudo o que tem, da mesma maneira que o ser humano na vida apenas tem a sua honestidade para a viver. Há muitas terras cheias de sopa, carregadas de cores, convidando-te com cantos de sereia, oportunidades, êxitos, luxos... mas a única colher para apurar a existência reside em nós mesmos. Mãos e coração.
Gonzalo Torrente-Ballester 
Un hombre con un tenedor en una tierra de sopas,
Madrid: Bruño, 1998.
.